Fazendo Melhores Escolhas

Fazendo Melhores Escolhas

À medida que você começa a ter mais contato com os seus sentimentos, transformações decisivas começam a ocorrer na sua auto-estima e, em conseqüência, no seu sucesso.


Use seus próprios olhos. Escute seu próprio coração. Decida você mesmo aonde quer chegar. Quando outros fazem isso por você, a recompensa nunca será sua.


Às vezes você acha que está quase concretizando alguma coisa importante na sua vida, mas, de repente... Quando tudo estava preparado para dar certo, alguma coisa sai errado. Você não entende por que, mas é reprovado em um concurso importante para sua car¬reira ou não consegue aquela promoção que estava para sair.


Na hora H, você sempre comete alguma falha que não sabe explicar. E, depois, fica se perguntando: "Onde é que estava o erro? Por que será que não deu certo?".


Mesmo não percebendo, alguma coisa estava deslocada na sua mente. Pode ser que você tenha usado o hemisfério direito do seu cérebro em uma si¬tu¬a-ção que o esquerdo seria mais eficiente, ou vice-versa. Mas o mais provável é que seus próprios valores de auto-estima estivessem deslocados na sua mente.

 

Trabalhando contra você


As coisas se encaminham da melhor forma possível. Chega, finalmente, a oportunidade para conseguir a tão esperada promoção e você só precisa se colocar como um profissional competente para que o seu chefe se decida. Porém, no seu inconsciente, sem que você saiba, ainda é forte a observação negativa feita pelo seu pai quando você era criança: “Você é tapado, você não serve para estudar”.


Sabe o que vai acontecer na hora H? Você vai falhar!


Você acha que isso não faz sentido? Então, me responda: se eu colocar uma tábua larga no chão e pedir-lhe que caminhe sobre ela, não tenho dúvida de que você o fará. No en¬tan¬to, se eu colocar a mesma tábua entre dois prédios de vinte andares e lhe pedir a mesma coisa, estou certo de que você não andará sobre ela. Mesmo que eu lhe assegure que não vai ter sol atrapalhando a sua visão, nem vento ou qualquer outra coisa que possa incomodar.


Sabe por que você não caminharia sobre a tábua no alto de dois prédios de vinte andares, mesmo sabendo que ela tem largura suficiente para você movimentar-se sobre ela? Porque surge uma voz de dentro de você que diz: “Cuidado! Você pode cair”. Então, você começa a tremer e perde a confiança em si mesmo.


As mensagens gravadas em nosso inconsciente interferem em nossa segurança. Se forem negativas, criam limitações. Por outro lado, se forem positivas...


A limitação é o resultado de uma mensagem negativa que está codificada em nossa mente.


Ter a auto-estima abalada na in¬fância não depende apenas de ter tido um pai muito severo. Os adultos, mesmo sem perceber, submetem a maioria das crianças a inúmeras ofensas. Tais ofensas podem abalar profundamente o amor-próprio e a autoconfiança dessas crianças. Então, quando adultas, inconscientemente, elas se sentem meio bobas, incapazes, indesejadas, desajeitadas, incom¬pe¬tentes, enver¬go¬nhadas e criticáveis. É como se continuas-sem, às vezes, sen¬do frágeis crianças no meio de adul¬tos poderosos.

 

Dr. Lair Ribeiro - Médico Cardiologista. Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa.

Lair Ribeiro.png


Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro