Associação de Doentes Renais Crônicos pode ficar sem sede

Associação de Doentes Renais Crônicos pode ficar sem sede

A direção da Associação de Doentes Renais Crônicos está correndo o risco de ter que deixar a atual sede da instituição, localizada em uma sala em um prédio na Rua Marechal, no Centro. A associação, que atende mais de 200 pacientes com problemas renais, utiliza um espaço cedido pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), mas há riscos de o local não continuar como sede da associação.


“A associação foi fundada para dar suporte ao paciente renal crônico. Funcionamos para fornecer medicações e dar suporte técnico. Vivemos de doações de pessoas que não são doentes renais crônicos, mas se disponibilizam a doar para ajudar. O problema é que as doações caíram muito ultimamente, e se for para pagarmos aluguel e as medicações, não temos como fazer isso, porque temos que optar por um por outro. Nesse caso, optaríamos pela medicação”, explica a presidente da associação,Alcirene de Oliveira.


Segundo a associação, o aluguel do local é pago diretamente para o proprietário da sala, por meio da PJF. No entanto, o pagamento estaria atrasado há, pelo menos, um ano. A presidente da associação teria se encontrado com representantes da Prefeitura na última semana, mas ainda não obteve uma resposta concreta.


“Há um desencontro de informações do que nos é repassado pela Prefeitura e pelo proprietário do local, mas me foi informado que o aluguel está atrasado há mais de um ano. Recorri à PJF por uma resposta, e nos informaram que resolveriam a situação”, conta Alcirene.


A associação, então, aguarda um retorno da Prefeitura para a solução da situação, que encontra-se incerta. “Esperamos que o retorno seja positivo, porque a associação não tem condições de pagar aluguel, pois não recebemos verba para isso. Já pagamos a medicação, que é comprada com o dinheiro dos contribuintes, não é simplesmente fornecida pela prefeitura ou outro órgão. Se tivermos que mudar de local, espero que seja em um local central, por exemplo, porque facilita o acesso das pessoas. Às vezes, sendo um lugar longe ou com muitas escadas, fica difícil para os pacientes”, relata.


A PJF informou que “não mantém nenhum tipo de vínculo com a Associação de Doentes Renais Crônicos, que é uma entidade independente. O antigo espaço era apenas um espaço gentilmente compartilhado com o Centro de Prevenção à Criminalidade. O CPC será transferido para outro local sem capacidade para compartilhamentos”.

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro